Dieta e Insuficiência Cardíaca – Evite desnutrição!

A Dieta e Insuficiência Cardíaca devem andar juntas e muito ajustadas no paciente com ICC, pois a dieta pode prevenir desnutrição e caquexia, que são sérios indicadores de gravidade e de mau prognóstico na insuficiência cardíaca. Confira.

O que é Insuficiência Cardíaca?

A ICC – insuficiência cardíaca (IC) também conhecida como Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC), coração fraco ou Coração grande é uma triste etapa para a qual costumam evoluir as doenças do coração.

As complicações insuficiência cardíaca grave!

Existem várias complicações possíveis para um paciente com insuficiência cardíaca e o paciente pode ter uma ou várias complicações.

Leia mais:

A Caquexia e a Desnutrição na ICC é sinal de piora!

A caquexia é o emagrecimento importante que acompanha grande parte dos pacientes com insuficiência cardíaca grave. Por essa causa, é importante que os pacientes façam um monitoramento do seu peso corporal quase que diariamente.

Portanto, prevenir a DESNUTRIÇÃO NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA é fundamental para o bom prognóstico do paciente, evitando complicações.

A importância da Dieta na Insuficiência Cardíaca

Todo médico precisa orientar o seu pacientes sobre dieta. Mas quando o pacinte tem insuficiência cardíaca, a orientação nutricional tem fundamental importância no tratamento de pacientes com IC.

Quando bem orientados e quando o paciente adere às orientação, a dieta pode contribuir para maior equilíbrio da doença, melhorando a capacidade funcional e a qualidade de vida com impacto positivo na morbimortalidade (menos complicações e menos mortes).

Leia mais:

Quais as etapas da Abordagem Nutricional no paciente com IC?

A intervenção nutricional deve ser realizada em duas etapas distintas:

  • diagnóstico nutricional e
  • planejamento alimentar de forma clara e simples.

Quando o médico examina a alimentação do paciente, e faz diversas perguntas sobre o que ele come, propicia o conhecimento da qualidade e da quantidade alimentar do paciente. Assim, é possível identificar suas preferências e aversões, além das limitações de ordem cultural e econômica que possam interferir na orientação dietética.

Leia mais:

Dieta e Insuficiência Cardíaca – Orientações obrigatórias

  • Restrição do consumo de sódio (2- 3 g/dia) desde que não comprometa ingestão calórica e na ausência de hiponatremia (sódio baixo)
  • Restrição hídrica (reduzir a ingestão de água) de 1.000 a 1.500 ml em pacientes sintomáticos e naqueles com sintomas de insuficiência cardíaca grave.
  • Deve ser feita a Suplementação nutricional nos pacientes com suporte calórico inadequado e com baixo peso.
  • A composição da dieta deve variar de
    • 50 a 55% de carboidratos,
    • 30 a 35% de lipídeos e
    • 15 a 20% de proteínas.
  • Devem ser priorizados carboidratos integrais e de baixa carga glicêmica, as gorduras mono e polinsaturadas, em especial ácidos graxos da série ômega 3, e as proteínas de alto valor biológico (ovos e carnes).
  • Há necessidade de abstinência total do álcool em pacientes com miocardiopatia alcóolica
  • Prevenir a caquexia cardíaca, estando atento a perdas de peso repentinas e inexplicáveis

Qual dieta devo fazer?

Como você viu acima, é importante pedir a opinião de um profissional médico / nutrólogo / nutricionista que lhe ajude na composição da sua dieta, mas de forma geral:

  1. Carboidratos: De 50 a 55% da ingestão energética, priorizando os carboidratos integrais com baixa carga glicêmica, evitando os refinados (açúcar), por agravar a resistência à insulina.
    1. Abandone de vez o açúcar e doces. Escolhas bons carboidratos.
  2. Gorduras:  De 30 a 35%, com ênfase às gorduras mono e polinssaturadas, em especial aos ácidos graxos da série ômega- 3, e níveis reduzidos de gorduras saturadas e trans.
    1. você não pode eliminar a gordura da sua dieta. Evite as gorduras trans. Use gorduras de boa qualidade.
  3. Proteínas:  De 15 a 20% do valor calórico total da dieta, priorizando as proteínas de alto valor biológico.
    1. você não pode e nem deve ficar sem comer carnes e ovos.

E então, alguma dúvida? Leia mais:

Author: Dr. Leonardo Alves

Médico, Cardiologista que entende que a internet pode e deve ser uma fonte inesgotável de informações para os pacientes.
CRMMG: 33.669 – Trabalha na Clínica Cardiovasc, em Teófilo Otoni, MG

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This

Compartilhe!

Compartilhe esse artigo com amigos!