Extra-Sístoles frequentes podem enfraquecer seu coração! É o que uma série de estudos vem comprovando e mudando alguns conceitos! Mesmo um coração normal pode se tornar fraco quando há extra-sístoles frequentes. Surpreenda-se!

[membership level=”0″]Quer ler mais? Clique Aqui! e acesse o Melhor Conteúdo Exclusivo! Clique e Leia Mais! [/membership]
[membership level=”0″] Olá, Aqui é o Dr. Leonardo Alves. Estamos felizes com seu interesse em nossos artigos. Quer ler mais? Clique Aqui! Escolha uma das opções de Membros e Aproveite os esse artigo! Temos muito interesse em solucionar suas dúvidas. Quer Ler Mais? Clique e Veja![/membership]

Todo cardiologista sabe que Extra-Sístoles e Palpitações em corações estruturalmente normais são benignas e não causam morte súbita! Essa é a informação predominante e a mais comum.

extra-sístoles - tratamento

Entretanto, alguns médicos fizeram uma pergunta diferente:

E se as Extra-sístoles estiverem causando enfraquecimento no coração? Causando Disfunção Ventricular?

 

E não é que a dúvida desses cientistas estava certo, em alguns casos! Portanto, em situações específicas, as Extra-sístoles frequentes ventriculares podem levar ao enfraquecimento do coração. 1)Radiofrequency catheter ablation of premature ventricular complexes from right ventricular outflow tract improves left ventricular dilation and clinical status in patients without structural heart disease.

Extra-sistoles frequentes e ICC

Elas continuam NÃO CAUSANDO MORTE SÚBITA, mas podem causar Disfunção ventricular e enfraquecer o coração! Continue lendo!

Há vários relatos na literatura relacionando a presença de Extra-sístoles ventriculares freqüentes e disfunção miocárdica em pacientes sem evidências de doença cardíaca estrutural, 2)Ablação por Cateter de Extra-Sístoles Ventriculares Freqüentes: tratamento curativo para um antigo problema 3)A case of cardiomyopathy induced by premature ventricular complexes. e que a supressão/tratamento/ablação dessas extra-sístoles podem melhorar a função ventricular. 4)Suppression of frequent premature ventricular contractions and improvement of left ventricular function in patients with presumed idiopathic dilated cardiomyopathy.

 

Vamos detalhar a afirmação:

  1. Extra-sístoles frequentes ventriculares podem levar ao enfraquecimento do coração.

Extra-sistoles frequentes e ICC2

O quê é Disfunção Ventricular?

A disfunção ventricular é a ocorrência de redução da força de contração do ventrículo esquerdo – que é muito conhecida no Ecocardiograma como Fração de Ejeção.

Vários Exames conseguem medir a Fração de Ejeção do Coração, como a Cintilografia Miocárdica e a Ressonância Nuclear Magnética, mas o Ecocardiograma é o exame de mais fácil realização e o de melhor custo – sem perder em nada para os outros dois exames.

A Fração de Ejeção do Ventrículo esquerdo mede a força de contração do coração – ela significa/representa a quantidade de sangue que sai do coração à cada contração ventricular. Por exemplo:

  • Se entra no ventrículo esquerdo 100 mL de sangue e ao final da contração, há 50 mL: a Fração de Ejeção foi de 50%.
  • Se entra no ventrículo esquerdo 100 mL de sangue e ao final da contração, há 60 mL: a Fração de Ejeção foi de 60%.
  • Se entra no ventrículo esquerdo 100 mL de sangue e ao final da contração, há 30 mL: a Fração de Ejeção foi de 30%.

A primeira informação que o cardiologista busca em seu exame de Ecocardiograma é a Fração de Ejeção – que representa a força sistólica (contrátil) do seu coração.

Qual é a Fração de Ejeção Normal?

Há diversas formas e técnicas de se medir a fração de ejeção do ventrículo esquerdo, mas a mais corriqueira e comum é a de Teicholtz, diz que a fração de ejeção é normal quando está acima de 58%. Ou seja, 60%, 65%, 70% etc… Não existe 100% de Fração de Ejeção, portanto, valores acima de 58% estão normais. Novas medidas e orientações foram lançadas pela ASE (Associação Americana de Ecocardiografia). 5)Asecho.org

Mas em princípio:

  • Fração de Ejeção maior que 58% é normal.

 

Extra-sístoles freqüentes: Importante Definição!

É muito importante que seu médico saiba o quê o termo Frequente significa. Frequente significa um número maior que 20% do total de batimentos. Essa situação aconteceu nos casos Reais de Carla (Caso #1) e no Caso Real de Renata (Caso#3) e também no Caso de Junior (Caso #4) – que tinha disfunção ventricular (leia com atenção).

Na imagem abaixo, extraída do Caso #3 de Renata, mostra como as Extra-Sístoles ventriculares eram frequentes e com 21% do total de Batimentos cardíacos.

Holter Renata 2 Caso #3

O quê não é Extra-Sístole Ventricular Frequente?

Também é importante destacar que não estamos falando que PALPITAÇÕES FREQUENTES causam disfunção ventricular, pois Extra-sístole é um assunto e Palpitação é outra (apesar de estarem muito relacionados).

  • Extra-sístoles frequentes é diferente de Palpitações frequentes.
  • 100 palpitações por dia NÃO significa que você tenha Extra-sístoles ventriculares frequentes.
  • É preciso que o HOLTER diga e meça a quantidade de Extra-sístoles em seu coração.
  • Extra-sístoles frequentes não é uma avaliação subjetiva – é uma avaliação matemática – bem objetiva.

 

Extra-sístoles MONOMÓRFICAS e de Via de Saída do VD.

Não são todas as extra-sístoles que causam a disfunção ventricular. Normalmente, elas são monomórficas ou dimórficas e tem origem na Via de Saída do VD ou do VE (que tem uma morfologia bastante semelhante).

Extra-sistoles via de saída do VD

O seu médico cardiologista saberá definir esse tipo de Extra-sístole em seu eletrocardiograma, mas o padrão delas tem as seguintes características:

O ECG basal apresentava dois padrões morfológicos da ESV:

  1. QRS predominantemente negativo em V1 com transição (R/S >1) a partir de V3 e eixo para a direita no plano frontal (D2, D3 e aVF positivos), sugestivo de origem em trato de saída do VD;
  2. ESV com transição (R/S >1) precoce (a partir de V1 ou V2) e eixo para a direita no plano frontal, sugestivo de origem no trato de saída do VE. 6)Ablação por Cateter de Extra-Sístoles Ventriculares Freqüentes: tratamento curativo para um antigo problema

 

Agora que já sabemos…

Agora que já sabemos que:

  1. Extra-Sístoles Ventriculares Frequentes: Maior que 20% do total de batimentos.
  2. Localizadas na Via de Saída do VD ou de VE: como na foto.
  3. Causam Disfunção Ventricular: Fração de Ejeção menor que 58%…

Já podemos tratar!

 

Ablação de Extra-Sístoles Frequêntes – Como Tratar?

Diversos estudos mostraram que o tratamento das Extra-sístoles com ablação com Cateter é muito eficiente para impedir que ocorra disfunção ventricular esquerda e também para reverter uma disfunção já estabelecida.

Os resultados dos estudos sugerem que extra-sístoles frequentes (> 20%), originadas na Via de Saída do VD pode ser uma possível causa de disfunção ventricular esquerda e / ou insuficiência cardíaca e que a Ablação por cateter produz benefícios clínicos nesses pacientes. 7)Radiofrequency catheter ablation of premature ventricular complexes from right ventricular outflow tract improves left ventricular dilation and clinical status in patients without structural heart disease.

E que a supressão de extra-sístoles freqüentes está associada à melhora da função ventricular esquerda em pacientes com cardiomiopatia dilatada idiopática. 8)Suppression of frequent premature ventricular contractions and improvement of left ventricular function in patients with presumed idiopathic dilated cardiomyopathy.

 

Você tem extra-sístoles frequentes?

Agora é a vez de você perguntar para o seu médico. Você tem extra-sístoles ventriculares frequentes? Se tem, a ablação com cateter pode ser uma ótima opção de tratamento para seu caso.

Por outro lado, a Sociedade Europeia de Cardiologia também abre uma possibilidade de tratamento por ablação para pacientes que não toleram as medicações (como o caso de Renata – Caso #3) e para aqueles que não querem usar medicações de uso contínuo.

 

É a sua vez! Deixe um comentário!

Agora é a sua vez! Deixe o seu comentário e participe ajudando a enriquecer esse texto. Ficou na dúvida? Pergunte que eu ajusto o texto para melhor entendimento.

References   [ + ]

Share This

Compartilhe!

Compartilhe esse artigo com amigos!