Fração de Ejeção Normal e Alterada – Entenda Tudo!

Fração de Ejeção Normal e Alterada é uma descrição frequente no ecocardiograma e a grande maioria dos pacientes tem dúvidas a respeito. Qual o valor normal? Quais os indícios de melhora? e de piora? Nesse artigo, você entenderá muita coisa sobre a Fração de Ejeção. Confira!

fração de ejeção

fração de ejeção

O que significa o termo “fração de ejeção”? O que ele mede?

A Fração de ejeção (Abreviação que usaremos neste artigo: FE) é uma medida da porcentagem de sangue que deixa seu coração cada vez que contrai/bate/pulsa. 1)Ejection Fraction Heart Failure Measurement.

Você sabe que durante cada ciclo de bombeamento do coração, o coração se contrai e relaxa. Quando seu coração se contrai, ele ejeta sangue das duas câmaras de bombeamento (dos ventrículos). Quando seu coração relaxa, os ventrículos se enchem de sangue.

Fato: O Coração nunca ejeta todo o sangue de dentro dele!

Não importa quão forte a contração, ele nunca é capaz de bombear todo o sangue de um ventrículo. O termo “fração de ejeção” refere-se à percentagem de sangue que é bombeado para fora de um ventrículo a cada batimento cardíaco. 2)Ejection fraction: What does it measure?

Fração de Ejeção: Para entender melhor!

  • Antes de contrair: Imagine que chegue ao coração: 100mL de sangue a cada batimento.
  • Após a contração: Após a contração, há 30mL de sangue – ou seja, 70mL foi ejetado.
  • Qual a Fração de Ejeção: 70% (que é o calculo: (100 mL – 30mL )/100mL = 70mL/ 100mL
  • Resultado: Fração de Ejeção: 70% (ou 0,70)

Fração de Ejeção do Ventrículo Esquerdo!

O ventrículo esquerdo é a principal câmara de bombeamento do coração que bombeia sangue oxigenado através da aorta ascendente (para cima) para o resto do corpo, de modo que a fração de ejeção geralmente é medida apenas no ventrículo esquerdo (VE). Quando se fala em FE, está subentendido que é do Ventrículo Esquerdo, apesar de o Ventrículo direito também ejetar sangue (só que não é medido da mesma maneira).

Leia Também:

Qual a Fração de Ejeção Normal?

Uma fração de ejeção do VE de 55% ou mais é considerada normal. Uma FE do VE de 50 por cento ou inferior é considerada reduzida. Especialistas variam em suas opiniões sobre uma fração de ejeção entre 50 e 55 por cento, e alguns consideram isso um intervalo “limite”.

Tenha em mente que a fração de ejeção é apenas uma das medidas da função cardíaca. Mesmo com uma fração de ejeção normal, a função cardíaca geral pode não ser normal. Portanto, não se fixe em um só número ou medida/parâmetro da avaliação – só seu médico poderá avaliar adequadamente. Fale com o seu médico se tiver dúvidas sobre o seu coração.

Variações da Fração de Ejeção, mas dentro dos limites normais!

Alguns pacientes fazem ecocardiograma com mais frequência que outros – um exemplo disso são os exames para CHECK-UP. Normalmente, o Ecocardiograma desses pacientes apresenta fração de Ejeção normal, com uma descrição do tipo: “Função sistólica biventricular preservada.”

Vamos imaginar:

  • Em 2016, o paciente Pedro, de 32 anos, sem qualquer fator de risco para doença do coração, faz ecocardiograma para avaliação para prática esportiva (maratona) e o resultado do seu ecocardiograma dá uma Fração de Ejeção de 70%. Como vimos, acima de 55%, é normal e, após avaliação médica e outros exames, ele é liberado para a sua prática esportiva.
  • Em 2017, o mesmo paciente Pedro, de 33 anos, retorna para nova avaliação e realiza outro ecocardiograma e o resultado do seu ecocardiograma tem Fração de Ejeção de 65%. Um valor ainda normal, mas ABAIXO dos 70% do ano passado. A pergunta que surge é: meu coração piorou?

A resposta é: não, o coração de Pedro não piorou.

A verdade é que há variações nos valores da FE em pacientes normais, mas dentro dos limites normais, ou seja, acima de 55%. Exemplos:

  • Em 2014: Fração de Ejeção: 72%
  • Em 2015: FE: 68%
  • Em 2016: FE: 76%
  • Em 2017: FE: 65%

Em todas estas situações acima, a Função sistólica do ventrículo esquerdo está normal. Elas oscilam, mas dentro dos limites normais. Por quê?

  1. Mesmo que o mesmo médico tenha feito todos os ecocardiogramas, essas variações são possíveis e isso ocorre por diversos motivos.
  2. É humanamente impossível e improvável que dois médicos que fazem o ecocardiograma obtenham as mesmas medidas – há uma margem de erro entre os examinadores (normalmente: 10%).
  3. A força de contração do coração oscila a todo momento e não é fixa, oscila pouco, mas nunca é um valor fixo, eternamente fixo.

Leia Também:

A fração de ejeção pode diminuir?

Diferente do parágrafo anterior em que tratamos de mudanças na FE oscilando (diminuindo ou aumentando) acima dos valores normais, agora vamos tratar de redução na FE abaixo dos valores normais – um problema cardíaco, efetivamente.

Sim, a FE pode diminuir e o nome dessa diminuição é DISFUNÇÃO SISTÓLICA, que é o mesmo que dizer MÁ FUNÇÃO SISTÓLICA.

Algumas doenças podem causar redução da Fração de Ejeção:

Como aumentar a fração de ejeção?

A fração de ejeção costuma ser baixa em pacientes com insuficiência cardíaca e todos (médicos e pacientes) tem grande interesse em fazer com que a FE aumente (e nunca caia).

Insuficiência Cardíaca e Coração Grande – Tudo!

A melhor maneira de aumentar a FE é realizando um ótimo tratamento da doença de base, do problema de saúde que PROVOCOU a Disfunção ventricular (a queda na FE). Portanto,

  • tratando as obstruções nas coronárias, tende a melhorar a FE.
  • tratando a arritmia, tende a melhorar a FE.
  • tratando hipertensão arterial, tende a melhorar a FE.
  • tratando o problema nas válvulas, tende a melhorar a FE.
  • E assim em diante.

Quais exames medem a Fração de Ejeção?

A fração de ejeção pode ser medida com técnicas de imagem, incluindo:

  • Ecocardiograma: Durante um ecocardiograma, as ondas sonoras são usadas para produzir imagens do seu coração e o sangue bombeando através de seu coração. Este é o método mais comum para avaliar a fração de ejeção. Outros métodos são muito mais raros.
  • Cateterismo cardíaco. Durante o cateterismo cardíaco, um tubo de plástico fino (cateter) é inserido em uma artéria no seu braço ou perna e, em seguida, mudou-se para o seu coração. As imagens podem ser tomadas durante o cateterismo que pode avaliar a fração de ejeção do seu coração.
  • Ressonância magnética (RNM). Durante uma ressonância magnética, um campo magnético e ondas de rádio são usados ​​para criar imagens transversais de partes específicas de seu corpo. Quando uma ressonância magnética é usada para estudar o coração, é conhecida como uma ressonância magnética cardiovascular.
  • Tomografia computadorizada (TC). Durante uma tomografia computadorizada, uma técnica especial de raios-X é usada para criar imagens transversais de partes específicas de seu corpo. Quando uma tomografia computadorizada é usada para estudar o coração, é conhecida como uma TC cardíaca.
  • Cintilografia Miocárdica. Durante uma análise nuclear, é possível avaliar a FE.

 

Tem mais dúvidas?

E então, tem mais dúvidas? Deixe seu comentário.,

Leia Também:

References   [ + ]

Author: Dr. Leonardo Alves

Médico, Cardiologista que entende que a internet pode e deve ser uma fonte inesgotável de informações para os pacientes.
CRMMG: 33.669 – Trabalha na Clínica Cardiovasc, em Teófilo Otoni, MG

Share This Post On

18 Comments

  1. Muito esclarecedores seus textos.
    Acabei de ser diagnósticada com Insuficiência cardíaca.
    Estou tomando: Renitec, Aldactone, Carvedilol.
    Estou apavorda com este diagnóstico. O Dr poderia falar mais a respeito.
    Tenho bloqueio ventricular esquerdo. Muito obrigada.

    Post a Reply
  2. Gostei muito !

    Vi pelos meus exames que estou ferrado, FE = 21%, mas feliz por ter entendido melhor esta métrica.

    Post a Reply
    • Fábio.
      Está “ferrado” não…
      Hoje em dia, há tratamento e com um ótimo acompanhamento médico, você pode ter uma vida muito boa.
      Com algumas limitações, mas dá para seguir em frente.

      Há pacientes com Fração de ejeção de 49% que estão MUITO SINTOMÁTICOS… e outros com fração de ejeção de 32% que estão bem, sem queixas.
      Abraços e força, amigo.

      Post a Reply
      • Sua resposta me conforta. Meu pai esta com 33% , e eu fiquei aflita. Mas agora, feliz por saber que ele ainda tem boas chances.

        Post a Reply
  3. Boa tarde!

    Tenho 55 anos e pratico corrida, não muito forte, fiz uma cintilografia da perfusão miocárdia e o cálculo da FEVE indicou que é igual a 53% em repouso, com discreta hipoperfusão transitória. Posso continuar correndo? Tô muito ruim?

    Atenciosamente,

    Marcello Lima

    Post a Reply
    • Marcello.
      Cintilografia com com discreta hipoperfusão transitória, precisa mostrar ao seu médico.
      Sugiro reduzir esforço até mostrar para ele.
      Abraços.

      Post a Reply
  4. Meu pai teve um infarto por causa da diabetes.. O infarto comprometeu 60% do coração dele,restando agora somente 40% ficou na UTI.. Agora está em casa com falta de ar na hora de durmi tendo que durmi quase sentado.. As pernas e abdômen inchado.. E medi a glicose dele e deu 389.. Mesmo fazendo a dieta de zero açúcar e tomando as medicações certinhas… Não sei mais o que fazer.. Temo pela vida de meu pai… Acho que o coração dele não vai aguentar

    Post a Reply
    • Beth.
      Um coração normal tem fração de ejeção acima de 58% – então, 40% não é TÃO BAIXA, não.
      Preocupa, mas acalme-se.
      Controle a glicose e seja dedicado na dieta.
      Abraços.

      Post a Reply
  5. Boa tarde,

    tive um infarto agudo do miocárdio, há um ano, e o mês passado vi no exame de cintilografia que minha fração de ejeção está em 49%. Pergunto, isto é muito ruim ou estou dentro da média?

    Post a Reply
  6. Boa tarde,

    tive um infarto agudo do miocárdio, há um ano, e o mês passado vi no exame de cintilografia que minha fração de ejeção está em 49%. Pergunto, isto é muito ruim ou estou dentro da média? Obrigado.

    Post a Reply
    • Andrielly
      A fração de ejeção normal da Cintilografia é acima de 45% (veja a referência no seu exame).
      Abraços.

      Post a Reply
  7. Deixa eu ver se entendi. A minha FE deu 65%… então está dentro dos padrões normais. Correto?

    O que é a bendita Delta D que fala no exame?! 36 é normal?!

    Post a Reply
  8. Tenho Cardiopatia congênita e insuficiência pulmonar, tenho direito a aposentadoria ?

    Post a Reply
    • Bruno.
      Qual cardiopatia congênita? diga-me.
      – insuficiência pulmonar: quase 90% das pessoas normais, a tem.
      Abraços.

      Post a Reply
  9. Dr Leonardo, eu tive um infarto a um ano, no ecocardiograma a fração de ejeção foi de 50% feito em 07/17. a cintilografia fiz agora em 16/11 deu 38%…vi que pode dá uma certa alteração em ambos os exames, mas eu posso me considerar com 50% ou 38% ?

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This

Compartilhe!

Compartilhe esse artigo com amigos!