Insuficiência tricúspide causa falta de ar? O sopro cardíaco traz muitas dúvidas aos pacientes e muitos sentem-se inseguros e preocupados! Mas qual o risco?

Pergunte ao Cardiologista!

Boa tarde, Há aproximadamente 2 meses que acordo de madrugada com muita falta de ar e coração acelerado. Fiz um ecocardiograma e deu o seguinte: Fluxo sistolico turbulento em átrio direito compatível com insuficiência tricúspide. Pressão sistólica no ventrículo Direito (Pico: 26mmHg. Por favor doutor me diga é muito grave???? Estou angustiada porque apenas no dia 26 terei o meu retorno ao cardiologista. Nem to conseguindo dormir direito de tanta preocupação. Sem contar com as dores no peito e a falta de ar.

Ela continua…

Esqueci de dizer que todo o resto está normal.
Na conclusão final do Ecocardiograma: Contratilidade segmentar miocárdica e função sistólica biventricular normal em repouso. (por Divina Renata)

Divina Renata, muito obrigado pela sua dúvida e vamos tentar respondê-la adequadamente e com calma, vamos lá?

Qual era a queixa?

A pergunta da Divina Renata é longa, mas podemos destacar os ponto principais!

  • De madrugada, muita falta de ar e coração acelerado;

A falta de ar é uma queixam extremamente comum entre os pacientes que buscam o cardiologista. Ela também é chamada de dispneia (ou, simplesmente, falta de ar).

O que gera preocupação na dúvida da Divina é a falta de ar durante a noite/madrugada, e a pergunta que deve ser feita (e respondida pelo seu médico é):

  • Essa falta de ar durante a madrugada é preocupante?
  • Essa falta de ar é a famosa Dispneia Paroxística Noturna?
  • Devemos nos preocupar com ela?

Falta de ar noturna – quando ela é grave?

Os sintomas cardiológicos não costumam ocorrer isoladamente. No geral, eles vem em conjunto. As queixas costumam vir em conjunto.

A falta de ar noturna, conhecida com o Dispneia Paroxística Noturna não costuma aparecer no paciente de forma isolada.

Quando a Dispneia noturna é real e digna de preocupação, ela está associada a algum dos outros sintomas:

  1. Dispneia aos esforços (já há 3 meses ou mais)
  2. Falta de ar aos mínimos esforços (andar 50 metros ou menos).
  3. Falta de ar até em repouso.
  4. Edema nas pernas, que ocorre normalmente à tarde.
  5. Falta de ar à noite – a famosa Dispneia Paroxística Noturna (já em uma fase avançada)

Portanto, dificilmente os sintomas se invertem! O ítem 5 realmente vem depois dos ítens de 1 a 4…

O que seu médico disse?

Todas as vezes que o paciente reclama de falta de ar (dispneia) os médicos costumam examinar e tirar algumas dúvidas clínicas ainda no exame físico e na anamnese:

  • o paciente tem sopro cardíaco?
  • o paciente tem sinais de que seu coração está crescido?
  • o paciente tem pulsos normais?
  • o paciente tem edema nas pernas?
  • o pulmão está limpo e sem sinais de estar “encharcado”?

Dependendo do perfil do médico e da sua relação com o paciente, ele pode antecipar algumas hipóteses para o paciente. Entretanto, alguns pacientes ansiosos sofrem muito com o pré-diagnóstico!

Assim, os cardiologistas costumam esperar pelos exames cardiológicos. E um deles é o ecocardiograma.

Como estão os Exames?

Depois que seu médico solicitou exames, há que esperar para sua avaliação. Seu médico avaliará seus resultados e lhe dará uma conduta adequada.

Mas, usando com o exemplo a dúvida da leitora, vejamos:

  • Ecocardiograma: insuficiência tricúspide e pressão sistólica no ventrículo Direito – Pico: 26 mmHg;
  • Ecocardiograma: Função sistólica normal em repouso;

Ecocardiograma e falta de ar!

Um ecocardiograma normal descreve várias situações no funcionamento cardíaco que indicam ou afastam a presença de doença:

  • Função sistólica do ventrículo: espera-se que esteja normal.
  • Função diastólica do ventrículo esquerdo: espera-se que esteja normal ou com função diastólica alterada (Antigamente chamada de Relaxamento diastólico anormal (tipo 1).
  • As válvulas: Mitral: Insuficiência mitral em grau leve
  • As válvulas: Tricúspide: Insuficiência tricúspide em grau leve ou leve a moderada.
  • Pressão pulmonar: normalmente, até 35 mmHg (mas aceitável até 40 mmHg).

Insuficiência mitral leve causa falta de ar?

Não, insuficiência mitral em grau leve NÃO CAUSA falta de ar. Poderá haver outros motivos associados, mas até que a insuficiência mitral se torne moderada ou importante, ela não costuma causar falta de ar.

Insuficiência tricúspide causa falta de ar?

Insuficiência tricúspide causa falta de ar? Não, insuficiência tricúspide em grau leve NÃO CAUSA falta de ar. Da mesma forma que a insuficiência mitral, poderá haver outros motivos associados, mas até que a insuficiência tricúspide se torne moderada ou importante, ela não costuma causar falta de ar.

Como descrito no laudo de exemplo, o fluxo turbulento no átrio nada mais é do que uma descrição habitual no exame de ecocardiograma.

Ainda na dúvida se Insuficiência tricúspide causa falta de ar? Continue lendo!

Qual a pressão pulmonar normal? E a falta de ar?

No geral, como dito acima, o valor normal em um ecocardiograma é de Pressão sistólica da artéria pulmonar até 35 mmHg (aceitando-se até 40 mmhg). E esses valores não causam falta de ar. 1)NCBI

Concluindo…

Quando a função ventricular ao ecocardiograma está normal, a pressão sistólica da artéria pulmonar está normal e todos os outros parâmetros cardiológicos estão normais, não é comum que haja uma cardiopatia.

O mais importante de tudo…

Mais importante de tudo em uma avaliação médica é a OPINIÃO DO MEDICO ASSISTENTE – pois não há nada mais eficiente que uma consulta médica bem feita e uma avaliação feita pelo seu médico de confiança. Ele lhe examinou, escutou seu coração, aferiu sua pressão arterial e só ele, SÓ ELE é capaz de dar-lhe uma opinião eficiente.

Grande abraço.

References   [ + ]

1. NCBI
Share This

Compartilhe!

Compartilhe esse artigo com amigos!