Investigar Arritmia Cardíaca é uma tarefa que pode ser complexa, pois médicos e pacientes precisam trabalhar juntos para chegar a um diagnóstico correto da Arritmia Cardíaca – Não basta dizer, Eu Tenho Arritmia, é preciso saber qual tipo! Lendo esse artigo, você vai descobrir o papel do paciente no diagnóstico correto. Continue lendo.

[membership level=”0″]Quer ler mais? Clique Aqui! e acesse o Melhor Conteúdo Exclusivo! [/membership]
[membership level=”0″] Olá, Aqui é o Dr. Leonardo Alves. Estamos felizes com seu interesse em nossos artigos. Quer ler mais? Clique Aqui! Escolha uma das opções de Membros e Aproveite os esse artigo! Temos muito interesse em solucionar suas dúvidas. [/membership]

Como Investigar Arritmia Cardíaca?

O interrogatório médico é a melhor maneira de iniciar a investigação da Arritmia Cardíaca, pois sem ela, o médico solicitará exames em excesso e perderá uma ótima oportunidade de um diagnóstico preciso. Quanto menos tempo o médico investir na Anamnese (consulta), mais ele terá de utilizar exames complementares para auxiliá-lo.   Investigar Palpitações

 

Quê perguntas o médico fará?

A principal manifestação da Arritmia Cardíaca é a Palpitação e o médico começará a sua investigação por esse sintoma. Pois dependendo da resposta do paciente, ele será capaz de direcionar o seu diagnóstico em busca do Tipo de Arritmia mais provável para o seu caso.

Sabendo quais as perguntas o médico lhe fará, você já pode anotar todos os detalhes antes mesmo de ir para a consulta.

 

#1 – Quando as Palpitações começaram?

Não há como fugir desta pergunta, pois saber quando você começou a sentir as Palpitações é fundamental para direcionar a investigação. Como exemplo, a Fibrilação atrial Aguda, um tipo de arritmia, pode dar a oportunidade do médico de iniciar um tratamento de Cardioversão sem a necessidade de outros exames – desde que o médico ache que a Arritmia é nova, ou presumivelmente nova.

Portanto, é fundamental que o paciente visite o consultório do médico assim que começar a sentir qualquer tipo de Palpitação e anote a Data em quê os sintomas se iniciaram.

Não sei se é o seu caso, mas muitos pacientes ficam nervosos e ansiosos no momento da consulta e se esquecem de anotar essas informações.

Você precisa anotar a Data em que os seus Sintomas se Iniciaram.

 

#2 – Quais os Horários das Palpitações?

Saber o Horário em que as Palpitações ocorrem também é uma informação de grande importância para o Médico, pois ele pode relacionar os sintomas de Palpitação com algumas atividades diárias.

Há pacientes que só tem Palpitações à noite, quando dormindo sugerindo problemas com o sono ou com o Ritmo Cardíaco. Outros pacientes tem Palpitações após o desjejum, que pode revelar problemas ligados à alimentação

Faça um Diário – Anote dias e Horários onde as Palpitações são mais frequentes!

 

#3 – Quais os Fatores Desencadeantes, Agravantes e Atenuantes da Palpitação?

Se você é um daqueles pacientes ansiosos que se esquecem de tudo durante a consulta, eu lhe peço que não se esqueça de observar quais fatores provocam as suas Palpitações! Essa informação é Fundamental.

Pergunte a você mesmo a Relação da Palpitação com essa lista de situações abaixo: A palpitação MELHORA / PIORA / É DESENCADEADA pela Situação X.

Dentre as principais fatos a observar, anote a relação com:

  • O sono: Provoca Palpitação? Melhora a Palpitação? ou a Piora?
  • A alimentação: Provoca Palpitação? Melhora a Palpitação? ou a Piora?
    • Café?
    • Refrigerantes?
    • Relação com o Álcool?
    • Algum alimento especial?
  • O trabalho:
    • Seu trabalho é estressante?
    • Você está feliz no trabalho?
  • A insônia:
  • As principais Refeições:
    • O almoço:
    • O jantar:
    • O café-da-manhã:
      • Se algum deles alterou a sua Palpitação: anote o quê você comeu.
  • A Atividade física:
  • Outras situações.
Anote tudo o que for possível e procure relacionar todas as situações possíveis com sua Palpitação!

 

#4 – O quê observar em relação à Palpitação?

Agora que você já sabe o horário da sua palpitação e a relação com diversas situações do seu dia-a-dia, é importante anotar detalhes relacionados à sua percepção das Palpitações.

Há diversas formas do paciente expressar a maneira como ele percebe as Palpitações e essas características são importantíssimas para o bom diagnóstico do médico.

Como você Percebe a sua Palpitação? Veja as maneiras mais frequentes.

Grupo 1

  • Pausa,
  • Batimento,
  • Parada no coração,
  • Coração se enchendo,
  • Coração parando,
  • Batimento mais forte,
  • Batimento diferente,
  • Batimento fraco,
  • Coração socando,
  • Coração falhando.
  • Soco no coração,
  • Meu coração atrasa um batimento,
  • Sinto fisgadas no peito

Se for assim que você percebe suas Palpitações, elas ocorrem:

  • 1 palpitação por vez?
  • 2 por vez? Juntas?
  • 3 ou mais vezes?

Anote tudo!

Grupo 2

  • Coração acelerado.
  • Taquicardia.
  • Aceleramento.

Você já conseguiu medir e anotar o número de Batimentos por minuto?

Anote a forma como você percebe suas Palpitações!

 

#5 – Qual a frequência das suas Palpitações?

É muito diferente para o médico quando você diz que sente 1 palpitação por mês ou quando diz que sente 100 vezes por dia. Isso muda radicalmente a forma de investigar a sua Arritmia e é uma informação fundamental.

Com quê frequência você sente as palpitações?

  • 1, 2, 5 vezes por dia?
  • 1, 2, 5 vezes por Semana?
  • 1, 2, 5 vezes a cada 15 dias?
  • 1, 2, 5 vezes por mês?
  • 1, 2, 5 vezes a cada 3 meses?
Anote a frequência de ocorrência de suas palpitações – São detalhes fazem uma diferença enorme para o seu médico. 

 

#6 – Há outros sintomas junto com as Palpitações?

Fará uma diferença enorme na investigação se juntamente com as Palpitações, você sentir outros sintomas do coração. Uma palpitação isolada (sem sintomas associados) é muito diferente de uma palpitação com Tontura ou até mesmo desmaio.

Anote se juntamente com as Palpitações, há:

  • Dispneia e Falta de Ar;
  • Tontura e sensação de desmaio;
  • Desmaio (efetivamente);
  • Dor no peito;

A investigação criteriosa fará com que você se sinta cada vez mais próximo do diagnóstico correto.

Leve todas essas informações anotadas para o seu médico, seja organizado com sua saúde, aprenda cada vez mais com os seus sintomas e a forma como ele afeta a sua saúde.

 

E então? Quero ouvi-lo!

O quê achou? Foi fácil de entender? Difícil? Ficou na dúvida de algum item, em especial? Deixe o seu comentário! Será um prazer ajudá-lo!

Share This

Compartilhe!

Compartilhe esse artigo com amigos!