Pertencer a uma Família de Cardíacos gera preocupações para muitos pacientes, principalmente se o paciente começa a sentir Queimação e Dor no peito! Você deve se preocupar?

[membership level=”0″] Quer ler mais? Alguns conteúdos são exclusivos para membros assinantes. É como se fosse um livro virtual dinâmico. Assine e tenha acesso a conteúdos preparados exclusivamente para sanar suas dúvidas. Clique Aqui! e acesse o Melhor Conteúdo Exclusivo! [/membership]

O que é Família de Cardíacos?

A maioria dos pacientes acha que pelo fato do seu avô ter falecido de infarto, que ele passa, automaticamente, a pertencer a uma família de cardíacos. Mas não é bem assim! Para você ser considerado um paciente com História familiar positiva para doenças de infarto, seus familiares precisam de:

  • História familiar de doença arterial coronariana PREMATURA.

O que é prematura?

  • Prematura é ter parentes de primeiro grau (pai, mãe e irmãos) com doença coronariana. Se forem do sexo masculino, a doença precisa ter aparecido antes dos 55 anos de idade; e se forem do sexo feminino, a doença precisa ter aparecido antes dos 65 anos de idade.

Exemplos:

  • Tio com infarto aos 45 anos de idade: Tio não é parente de primeiro grau, então, você não é considerado de alto risco.
  • Mãe com infarto do miocárdio aos 72 anos: Mãe é parente de primeiro grau, mas ela teve infarto após os 65 anos, então, você não é considerado de alto risco.
  • Pai com infarto aos 54 anos. Pai é parente de primeiro grau e teve infarto antes de 55 anos – sim, você é considerado de alto risco.
  • Primos (três primos do sexo masculino) com infarto aos 53 anos. Primo não é parente de primeiro grau, então, você não é considerado de alto risco.

Todo mundo lá de casa morre de infarto.

Seguindo com o mesmo raciocínio do parágrafo anterior, se todo mundo for parente de primeiro grau (pai, mãe e irmãos), e se os homens faleceram (ou tiveram infarto) antes dos 55 anos e as mulheres antes dos 65 anos, aí sim.

Mas se seus avós morreram de infarto aos 82 anos, seus tios aos 46 anos, seus primos aos 69 anos… nada disso importa (do ponto de vista de risco pessoal). Muito provavelmente, todos os seus familiares pecaram no quesito saúde prevenção e levaram uma vida com hábitos ruins de saúde.

Previna-se!

E o meu Desconforto no peito?

Sempre vou dizer para que todo paciente procure um médico caso tenha alguma dor ou desconforto no peito. Mas é sempre bom lembrar que a dor no peito que lembra o infarto.

Nesse artigo, falamos sobre a Angina e como ela se apresenta:

Caracterizando a Angina – o Desconforto de origem cardíaca.

A Angina é a Dor ou Desconforto no peito causado por um problema ligado à falta de oxigenação no coração.

Angina – O quê a desencadeia?

Normalmente, a angina (dor/desconforto no peito) é desencadeada pelo esforço físico. É uma dor que acontece no momento do esforço físico ou alguns minutos após esse esforço.

Angina – O quê a piora?

angina (dor/desconforto no peito) é intensificada e fica mais forte quando o paciente realiza esforço físico ou nas situações em que ele sofre um estresse emocional que faz com que o seu coração acelere e exija uma maior oxigenação.

Angina – Melhora com o quê?

A Angina é melhorada com o repouso ou com a redução do mesmo. O paciente percebe que está sentindo a dor/desconforto e para o esforço físico. Logo em seguida, em minutos ou segundos, a dor desaparece por completo ou quase por completo.

E outros fatores de risco?

Se você tem pressão alta, colesterol alto e diabetes, você precisa calcular o seu risco pessoal de infarto. Além da História Familiar, há outros fatores que podem aumentar o seu risco de infarto.

 

Ficou com alguma dúvida?

Deixe seu comentário.

 

Créditos para Fátima que deixou uma pergunta nos comentários do blog.

Share This

Compartilhe!

Compartilhe esse artigo com amigos!